quinta-feira, 13 de novembro de 2008

partida

adeus pequenas gotas.
adeus flautas.
adeus, meu Deus, adeus a mim.
gotas, de orvalho, de lárgimas, de chuva.
flautas, de músicas, de danças, de sons.
eu, de momentos, de alegrias, de solidão.
adeus.
não sei voltar.
estou indo por esse caminho,
desculpem-me as falhas,
perdoem-me meus pecados,
minha dor não quer partir.
por isso, adeus.
à Deus peço paz.
perdoe minha falta de fé.
sou essa sombra que se foi.
orvalho e danças,
meu vazio.

3 comentários:

Lucas Grosso disse...

Não fique triste Laura :) Você volta em Março!!! :D

E você triste não é muito boa de escrita ;D

Jonas Marquezin disse...

Adeus????....nem brinca!!!

Se não voltar vou te buscar pela orelha!!!

¬¬

Uhauhauahuahauahauhauaahauaaa...

Te amo

=)

Anônimo disse...

Você se foi e eu não tive a chance de me despedir. Aliás, nunca nos despedimos...
Por favor, não deixe de escrever aqui - gosto muito de xeretar esse seu cantinho - e é bom ver que sou apenas um dessa legião de pessoas que gostam dos seus textos, da sua doce melancolia, da sua desesperança revoltosa, do seu ritmo tão próprio. Me acostumei a beber dessa sua fonte...
Foi o jeito que arrumei de continuar perto sem causar mais problemas.
Muitas vezes me sinto um intruso, em especial quando, por pura e boba pretensão, resolvo vestir as carapuças que voam.
Aproveite ao máximo viagem e não deixe de narrá-la aos seus fãs.
Dos grilhões,
em transgressão abusada,
muitos beijos!