quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Sono desperto

Hoje parei meus olhos. Ou pararam eles a mim, não me lembro bem agora. Recordo-me apenas de estagnar em um ponto, sem nada claro a pensar. Vaguei pelo vagão do metrô, sem me mover dali. As vezes mexia lentamente minhas pálpebras, e talvez junto com elas o meu glôbo ocular. Mas os olhos eram fixos, em qualquer lugar.
Não tinha sono. Observava o silêncio aflito do meu pensamento... sem som, ouvia pelos olhos. Sentia o cheiro pelos olhos, e quase que cheguei a tocar.
Li faces, fui ombro de lágrimas contidas, sem sequer nos olhos destes olhar.
Era uma pausa, certamente, do espaço, que me deixou viajar.
Meu coração era calmo e sereno. Eu pertencia ao tempo e não queria voltar...

Um comentário:

Whisky bemol disse...

Laura!

Seus escritos são bons, mas eles são curtos demais... Acho que você deveria trabalhar mais sobre eles... Brincar com eles por assim dizer, e mesmo juntá-los! Daria um ótimo livro! :)